Tremoços, amigo ou inimigo da saúde?

Da família do grão e feijão, os tremoços existe há vários séculos na Europa. Foi muito popular entre os Romanos e pensa-se que terá sido difundido durante a expansão do império. Hoje, é considerado um petisco em países de cultura mediterrânica, como Portugal, Espanha e Itália.

tremoços

Os tremoços são dos aperitivos mais apreciados nas esplanadas portuguesas, principalmente no Verão.

O seu nome deriva do árabe al-turmus revelando a longa tradição do seu consumo entre nós, ao contrário de muitos outros países ocidentais onde é um ilustre desconhecido à mesa.

Características nutricionais dos tremoços

O tremoço, à semelhança de outras leguminosas, como o grão, o feijão, a lentilha, a fava ou a ervilha apresenta diversas propriedades nutricionais muito interessantes para a saúde.

Contudo, o tremoço em natureza apresenta um aminoácido e alcaloides neurotóxicos. Estes são eliminados depois de cozidos e cobertos com água que deve ser mudada com frequência durante vários dias até perderem o seu amargo original, com a eliminação dos alcalóides. A partir desse momento tornam-se no excelente alimento que todos apreciamos.

O tremoço é um alimento com um reduzido valor energético (cerca de 70kcal num pires de 60g) o que o faz dele um aperitivo muito interessante face a outros do género.

Na sua composição, encontramos cerca de 16g de proteínas por 100g, com uma boa qualidade e digestibilidade, e 5% de fibra. Caracteriza-se por ser pobre em gordura (cerca de 2% da sua composição) sendo esta, maioritariamente, mono e polinsaturada. Contêm ainda vitaminas, destacando-se o folato em quantidades substanciais, e sais minerais, como o cálcio, o potássio, o manganésio, o ferro e o zinco.

Composição nutricional dos tremoços (de uma porção de 100g de tremoços):

Calorias (Kcal): 117
Proteína (g): 16,4
Lípidos (g): 2,4
Hidratos de Carbono (g): 7,2
Fibra (g): 4,8

Benefícios dos Tremoços

  • Ricos em proteína de qualidade
  • Boas fontes de fibra
  • Pobres em calorias e gorduras
  • Fontes de minerais: cálcio, potássio, ferro e zinco
  • Fontes de vitaminas: ácido fólico
  • Altamente saciantes
  • Efeitos benéficos a nível do colesterol
  • Ajudam no controlo da glicemia
  • Contribuem para um bom funcionamento dos intestinos

Nutritivos e pouco calóricos

O tremoço seco é rico em alcaloides naturais, substâncias tóxicas que lhe conferem um sabor amargo. Daí que só possa ser consumido depois de cozido e passado por várias águas. A cozedura inativa enzimas e elimina o poder germinativo. A passagem do tremoço por várias águas (lixiviação) retira-lhe o sabor amargo e os alcaloides. Este tratamento é feito industrialmente, pelo que o produto vende-se já cozido e conservado em salmoura.

Por cada 100 gramas desta leguminosa cozida e sem casca, obtém 15,4 g de proteínas e 9,4 g de fibra. Pelo contrário, não corre o risco de abusar da gordura, pois contém 1,1 gramas. Além disso, a gordura presente é sobretudo insaturada, menos prejudicial para a saúde. Os tremoços contêm ainda sais minerais, como cálcio, potássio e, em menor escala, ferro. Para quem come a casca, o valor nutricional é semelhante, mas com um pouco mais de fibra.

A elevada presença de proteína, qualidade da fibra e o reduzido valor energético, fazem do tremoço um alimento muito interessante como saciante e na redução do apetite. O tremoço pode ser utilizado como substituto de proteína animal e em particular nas dietas vegetarianas, sendo isento de glúten.

Proteína vegetal

O tremoço é uma das principais fontes vegetais de proteína existentes (e menos irritante para o estômago quando comparado com a soja, por exemplo) e nesta condição tem sido injustamente esquecido.

Segundo alguns trabalhos, a elevada presença de fibra permite ao tremoço ter um papel ativo na regulação do colesterol e glicemia e ainda na regulação e proteção da flora intestinal, também devido à elevada presença de fitoquímicos contidos nestas sementes. Para alguns, o tremoço pode ser mesmo considerado um alimento funcional.

Os tremoços têm três vezes mais fibra do que a aveia e o trigo

No que diz respeito à gordura, a sua composição é, na sua grande maioria, ácido oleico e linoleico (gordura presente no azeite), constituindo 86% da gordura total.

Acresce que o tremoço possui três vezes mais fibra do que a aveia e o trigo e, dessa fibra, a sua grande maioria tem a capacidade de reter o colesterol LDL no intestino e facilitar a sua eliminação nas fezes.

Atenção ao teor em sal

O inconveniente do tremoço é elevada quantidade de sal proveniente da salmoura em que são conservados tantas vezes. Cada 100 gramas contêm 3,9 gramas. Assim, basta uma pequena dose sem casca (30 gramas) para ingerir um quinto da dose máxima diária recomendada de sal (5 gramas).

Uma solução caseira é passar os tremoços por água corrente ou demolhá-los antes do seu consumo e quando os comprar embalados ler os rótulos e comprar os que contém menor teor de sal.

Opte por embalagens guardadas em local fresco e ao abrigo da luz solar. Se escolher embalagens em vácuo, certifique-se de que estão intactas. Depois de furadas, o ar entra e a conservação fica comprometida. Guarde os tremoços no frigorífico, imersos no líquido de conserva ou em água com sal. Consuma, no máximo, em 5 dias.

Sugestão

tremoços

Um paté de tremoços delicioso resulta da combinação de:

  • 100gr de tremoço
  • 100gr de abacate
  • um fio de azeite

Triturar bem até ficar em creme. Temperar a gosto com um leve toque de sumo de limão. Pode juntar coentros ou qualquer erva aromática para enriquecer o sabor.

Em suma, o tremoço é um alimento pouco calórico, altamente saciante e com diversos benefícios na saúde, em particular se conseguir comer-los com baixo teor de sal.

1 COMENTÁRIO

  1. Do you leave the shell on to grind up for the pate? Is the shell good for nutrition or better to take off? Does it help take some salt away if you take the shell off?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.