Os melhores alimentos para problemas renais

Quando se tem problemas renais, os alimentos que se ingerem podem influenciar o estado de saúde, e o bom funcionamento renal. Não só será necessário limitar a quantidade de proteína, mas também os alimentos ricos em potássio, sódio e até fósforo.

A doença renal é um problema comum que afeta cerca de 10% da população mundial (1).

rins

Os rins são pequenos, mas poderosos órgãos em forma de feijão que desempenham muitas funções importantes.

Os rins são órgãos essenciais à vida, sendo responsáveis por diversas funções, entre elas, filtragem do sangue, controle dos níveis de eletrólitos (sódio, potássio, cálcio, fósforo, magnésio…), da pressão arterial, da quantidade de água do corpo, estimulo à produção de glóbulos vermelhos, produção de vitamina D, etc. (2).

Muitas doenças dos rins apresentam pouco ou nenhum sintoma nas suas fases iniciais. Boa parte dos pacientes só descobre ser portador de doença renal em estágios avançados, quando já não há muito o que fazer para salvar a função dos rins.

Sintomas da Doença Renal

Os sinais de doença renal aparecem gradualmente, pode nem notar o início destes sinais e sintomas. (Quando a função renal e inferior a 50% podem surgir os seguintes…)

  • Menor produção de urina; necessidade frequente de urinar, mesmo de noite.
  • Inchaço das mãos, pernas, em torno dos olhos.
  • Falta de ar.
  • Dificuldades em dormir.
  • Perda de apetite, náuseas e vómitos.
  • Hipertensão.
  • Sensação de frio e fadiga.

Patologias renais

Infecção urinaria

Quando existe queixa de dor, ardência e urgência para urinar. O volume urinado torna-se pequeno e frequente, tanto de dia como de noite. A urina é turva e mal cheirosa podendo surgir sangue no final da micção. Nos casos em que a infecção atingiu o rim, surge febre, dor lombar e calafrios, além de ardência e urgência para urinar.

Insuficiência renal

É a perda das funções dos rins, podendo ser aguda ou crónica. As causas desta doença são várias, os rins tornam-se incapazes de proceder à eliminação de certos resíduos produzidos pelo organismo. A insuficiência renal crónica torna-se avançada, quando a percentagem de rim funcional é inferior aos 20%; muitas vezes, só nesta fase surgem os primeiros sintomas.

As alterações do equilíbrio dos electrólitos ou ácido-base, assim como a acumulação de produtos residuais, são indicadores de insuficiência renal.

Insuficiência Renal Aguda (IRA)

  • Perda rápida de função renal que pode ser recuperada no espaço de poucas semanas. As causas devem-se desidratação, intoxicações, traumatismos, medicamentos e algumas doenças. É causada por uma agressão repentina ao rim, por falta de sangue ou pressão para formar urina ou obstrução aguda da via urinária. A principal característica é a total ou parcial ausência de urina.

Insuficiência Renal Crónica (IRC)

  • Perda lenta progressiva, irreversível das funções renais (é nesta fase que se aconselha os doentes a iniciarem um caminho pessoal de preparação para a diálise). Surge quando o rim sofre a ação de uma doença que deteriora irreversivelmente a função renal, apresentando-se com retenção de uréia, anemia, hipertensão arterial, entre outros.

Calculo renal

A cólica renal, com dor no flanco e costas é muito característica, quase sempre com sangue na urina e em certos casos pode haver eliminação de pedras.

Obstrução urinária

Ocorre quando há um impedimento da passagem da urina pelos canais urinários, por cálculos, aumento da próstata, tumores, estenoses de ureter e uretra. A ausência ou pequeno volume da urina é a queixa característica da obstrução urinária.

Tumores Renais

O rim pode ser acometido de tumores benignos e malignos. E as queixas são de massas palpáveis no abdômen, dor, sangue na urina e obstrução urinária.

Doenças multisistêmicas

O rim pode se ver afetado por doenças reumáticas, diabete, gota, colagenoses e doenças imunológicas. Podem surgir alterações urinárias em doenças do tipo nefrite, geralmente com a presença de sangue e albumina na urina.

Doença congénita hereditária

Um exemplo dessas doenças é a presença de múltiplos cistos no rim (rim policístico).

Nefropatia tóxica

Causadas por tóxicos, agentes físicos, químicos e drogas. Caracterizam-se por manifestações nefríticas e insuficiência funcional do rim.

problemas renais

Conduta nutricional

Restrições dietéticas variam dependendo do nível de dano nos rins.

Cada pessoa com doença renal é diferente, e é por isso que é importante falar com o seu médico ou nutricionista que acompanha o doente sobre suas necessidades alimentares individuais.

Para a maioria das pessoas com doença renal avançada, é importante seguir uma dieta renal que ajuda a diminuir a quantidade de resíduos no sangue.

Esta dieta é frequentemente referida como uma dieta renal. Isso ajuda a aumentar a função renal, evitando danos adicionais (3).

Embora as restrições alimentares variem, é comum recomendar que todas as pessoas com doença renal restrinjam os seguintes nutrientes:

  • Sódio: O sódio é encontrado em muitos alimentos e um componente importante do sal da mesa. Rins danificados não podem filtrar o excesso de sódio, fazendo com que seus níveis de sangue aumentem. Muitas vezes, é recomendado limitar o sódio a menos de 2.000 mg por dia (4, 5).
  • Potássio: o potássio desempenha muitos papéis importantes no organismo, mas no caso da doença renal é necessário limitar o potássio para evitar perigosos níveis no sangue. Normalmente, é recomendável limitar o potássio a menos de 2.000 mg por dia (6, 7).
  • Fósforo: os rins danificados não podem remover o excesso de fósforo, um mineral presente em muitos alimentos. Níveis elevados podem causar danos ao organismo, pelo que o fósforo deve ser limitado a menos de 800-1000 mg por dia na maioria dos pacientes (8).

A proteína

É outro nutriente que as pessoas com doença renal podem necessitar limitar, pois os resíduos de produtos do metabolismo das proteínas não podem ser eliminados pelos rins danificados.

No entanto, aqueles com doença renal em fase final submetidos a diálise, um tratamento que filtra e limpa o sangue, têm maiores necessidades de proteína (910).

Cada pessoa com doença renal é diferente, e é por isso que é importante falar com o seu médico sobre suas necessidades alimentares individuais.

Alimentos benéficos

Cada pessoa com doença renal é diferente, e é por isso que é importante falar com o seu médico ou nutricionista sobre suas necessidades alimentares individuais. No entanto, existem muitas opções deliciosas e saudáveis ​​são baixas em fósforo, potássio e sódio.

Couve-flor

couve-flor

A couve – flor é um vegetal nutritivo que é rico em muitos nutrientes, incluindo vitamina C, vitamina K e folato da vitamina B.

Também está cheio de compostos anti-inflamatórios como indoles e uma excelente fonte de fibra (11).

Além disso, purê de couve-flor pode ser usado em lugar de batatas para um prato de baixo teor de potássio.

Um copo (124 gramas) de couve-flor cozida contém (12):

  • Sódio: 19 mg
  • Potássio: 176 mg
  • Fósforo : 40 mg

Mirtilos

mirtilhos

Os mirtilos são uma das melhores fontes de antioxidantes (13).

Estas bagas contêm antioxidantes chamados antocianinas, que ajudam a proteger contra doenças cardíacas, stress oxidativo, inflamação, declínio cognitivo e diabetes (14).

São um excelente adição a dieta para uso renal, pois são baixos em sódio, fósforo e potássio.

Um copo (148 gramas) de mirtilos frescos contém (15):

  • Sódio: 1,5 mg
  • Potássio: 114 mg
  • Fósforo: 18 mg

Uvas vermelhas

uvasA uva possui vários flavonoides que são bons para o coração, porque eles impedem a oxidação e reduzem a chance de coágulos sanguíneos.

Um dos flavonoides presentes nas uvas é o resveratrol, que pode aumentar a produção de óxido nítrico, o qual aumenta o relaxamento muscular em vasos sanguíneos para um melhor fluxo de sangue. Os flavonóides também ajudam a proteger contra o cancro e prevenir a inflamação (16, 17).

As de coloração mais roxa e avermelhada são as que possuem maior teor de flavonóides (18).

A amiga dos rim, meia chávena (75 gramas) contém (19):

  • Sódio: 1,5 mg
  • Potássio: 144 mg
  • Fósforo: 15 mg

A clara do ovo

ovoSabia que a clara dos ovos é proteína pura?

A clara fornece uma fonte de proteína de alta qualidade e renal, juntamente com todos os aminoácidos essenciais.

As claras de ovos têm menos potássio do que outras fontes de proteína, como as gemas de ovos e as carnes, por isso, utilize a clara para fazer omeletes ou em sanduíches.

Embora as gemas sejam muito nutritivas, elas contêm grandes quantidades de fósforo, tornando as claras uma escolha melhor para pessoas que seguem uma dieta renal.

Para não mencionar, que são uma excelente escolha para pessoas submetidas a tratamento de diálise, pois possuem maiores necessidades de proteína, mas precisam limitar o fósforo.

Duas grandes claras (66 gramas) contêm (20):

  • Sódio: 110 mg
  • Potássio: 108 mg
  • Fósforo: 10 mg

Alho

Alho nutrição funcionalAs pessoas com problemas renais são aconselhadas a limitar a quantidade de sódio em sua dieta, incluindo sal adicionado.

O alho fornece uma deliciosa alternativa ao sal, adicionando sabor aos pratos, proporcionando benefícios nutricionais.

É uma boa fonte de manganês, vitamina C e vitamina B6 e contém compostos de enxofre que possuem propriedades anti-inflamatórias.

Três dentes (9 gramas) de alho contêm (21):

  • Sódio: 1,5 mg
  • Potássio: 36 mg
  • Fósforo: 14 mg

Repolho

repolhoO repolho é um vegetal repleto de fitoquímicos, que são compostos químicos encontrados em algumas frutas e vegetais.

É uma ótima fonte de vitamina K, vitamina C vitamina B6 e ácido fólico, e que tem a função de romper os radicais livres separados. Os fitoquímicos ajudam a combater o cancro e melhoram a saúde cardiovascular.

Além disso, fornece fibra insolúvel, um tipo de fibra que mantém o sistema digestivo saudável, promovendo movimentos intestinais regulares e adicionando volume às fezes (22).

Além disso, é baixo em potássio, fósforo e sódio, por isso é especialmente amigável do rim. Um copo (70 gramas) de repolho desfiado contém (23):

  • Sódio: 13 mg
  • Potássio: 119 mg
  • Fósforo: 18 mg

Cebola

cebolasAs cebolas são excelentes para proporcionar sabor isento de sódio aos pratos de dieta renal.

Ela é rica em flavonóides, especialmente quercetina. Os flavonoides são substâncias químicas naturais que impedem o depósito de gordura em vasos sanguíneos.

A quercetina é um poderoso antioxidante que ajuda a reduzir doenças cardíacas e protege contra muitas formas de cancro. Também tem propriedades anti-inflamatórias.

O baixo teor de potássio faz com que seja um dos alimentos bons para os rins. Além disso, contém também cromo, um mineral que ajuda o seu corpo a metabolizar gorduras, proteínas e hidratos de carbono.

Além disso, as cebolas são ricas em vitamina C, manganês e vitaminas B e contêm fibras prebióticas que ajudam a manter o sistema digestivo saudável ao alimentar bactérias intestinais benéficas (24).

Uma cebola pequena (70 gramas) contém (25):

  • Sódio: 3 mg
  • Potássio: 102 mg
  • Fósforo: 20 mg

Rúcula

RuculaMuitos legumes saudáveis ​​como o espinafre e a couve são ricos em potássio e são difíceis de se adequar a uma dieta renal.

No entanto, a rúcula é um verde denso em nutrientes que é baixo em potássio, tornando-se uma boa escolha para saladas e pratos de apoio ao rim.

A rúcula é uma boa fonte de vitamina K e minerais de manganês e cálcio, todos os quais são importantes para a saúde óssea.

Este verde nutritivo também contém nitratos , que demonstraram baixar a pressão arterial, um benefício importante para as pessoas com doença renal (26).

Um copo (20 gramas) de rúcula em bruto contém (27):

  • Sódio: 6 mg
  • Potássio: 74 mg
  • Fósforo: 10 mg

Azeite

azeiteO azeite é uma fonte saudável de gordura e livre de fósforo, tornando-se uma ótima opção para pessoas com doença renal.

Muitas vezes, as pessoas com doença renal avançada têm problemas para manter o peso, fazendo com que alimentos saudáveis ​​e com alto teor de calorias como o azeite sejam importantes (28).

A maioria da gordura no azeite é uma gordura monoinsaturada chamada ácido oleico, que tem propriedades anti-inflamatórias (29).

Além disso, as gorduras monoinsaturadas são estáveis ​​a altas temperaturas, tornando o azeite uma escolha saudável para cozinhar.

2 colheres de sopa (28 gramas) de azeite contém (30):

  • Sódio: 0,6 mg
  • Potássio: 0,3 mg
  • Fósforo: 0 mg

Bulgur

bulgurBulgur é um grão antigo que faz uma alternativa fantástica e renal para outros grãos inteiros que são ricos em fósforo e potássio.

Este grão nutritivo é uma boa fonte de vitaminas B, magnésio, ferro e manganês.

É também uma excelente fonte de proteína à base de plantas e cheia de fibras alimentares, o que é importante para a saúde digestiva.

 

Uma porção de meia chávena (91 gramas) de bulgur contém (31):

  • Sódio: 4,5 mg
  • Potássio: 62 mg
  • Fósforo: 36 mg

Pimentão

pimentãoOs pimentões contêm uma generosa quantidade de vitaminas A, C, B6, ácido fólico e fibra, e são baixos em potássio, ao contrário de muitos outros vegetais.

Estes pimentões de cores vivas são carregados de vitamina C antioxidante, assim como também de licopeno. Além disso, eles adicionam cor e sabor a qualquer prato.

Saiba que, um pequeno pimentão vermelho (74 gramas) contém 158% da ingestão recomendada de vitamina C.

Eles também são carregados com vitamina A, um nutriente importante para a função imunitária, que muitas vezes é comprometida em pessoas com doença renal (32).

Uma pequena pimenta vermelha (74 gramas) contém (33):

  • Sódio: 3 mg
  • Potássio: 156 mg
  • Fósforo: 19 mg

Nabo

naboO nabo é amigo dos rins e são uma excelente substituição aos vegetais altos em potássio, como batatas e abóbora.

Este vegetal de raiz é carregado com fibras e nutrientes como vitamina C, vitamina B6, manganês e cálcio.

Podem ser assados, cozidos ou em purê um alimento saudável que funciona bem para uma dieta renal.

Uma meia chávena (78 gramas) de nabos cozidos contém (34):

  • Sódio: 12,5 mg
  • Potássio: 138 mg
  • Fósforo: 20 mg

Abacaxi

abacaxiMuitas frutas tais como, laranjas, bananas e kiwis contem altos valores de potássio.

Felizmente, o abacaxi pode ser uma doce alternativa com baixo teor de potássio para quem tem problemas nos rins.

Além disso, o abacaxi é rico em fibras, vitaminas B, manganês e bromelina, uma enzima que ajuda a reduzir a inflamação (35).

Um copo (165 gramas) de pedaços de abacaxi contém (36):

  • Sódio: 2 mg
  • Potássio: 180 mg
  • Fósforo: 13 mg

Arandos

cranberriesSão um alimento saudável, devido ao seu alto teor de nutrientes e antioxidantes. Eles são frequentemente referidos como um “super alimento”, que também beneficiam o trato urinário e os rins.

Essas frutas minúsculas e tortuosas contêm fitonutrientes chamados de proantocianidinas de tipo A, que impedem as bactérias de aderir ao revestimento do trato urinário e da bexiga, prevenindo a infecção (37, 38).

Isso é útil para aqueles com doença renal, pois eles têm um risco aumentado de infecções do trato urinário (39).

Os arandos podem ser comidos secos, cozidos, frescos ou como suco. Eles tem baixos valores de potássio, fósforo e sódio.

Um copo (100 gramas) de arandos frescos contém (40):

  • Sódio: 2 mg
  • Potássio: 85 mg
  • Fósforo: 13 mg

Cogumelos shiitake

shiitake_cogumeloOs cogumelos Shiitake são um ingrediente saboroso que pode ser usado como um substituto de carne à base de plantas para aqueles com uma dieta renal que precisam limitar a proteína.

Eles são uma excelente fonte de vitaminas B, cobre, manganês e selênio.

Além disso, eles fornecem uma boa quantidade de proteína à base de plantas e fibra dietética.

Os cogumelos Shiitake são mais baixos em potássio do que o portobello e os cogumelos brancos, tornando-os uma escolha inteligente para aqueles que seguem uma dieta renal (41, 42).

Um copo (145 gramas) de cogumelos cozidos contém (43):

  • Sódio: 6 mg
  • Potássio: 170 mg
  • Fósforo: 42 mg

Algumas sugestões que podem ajudar

  • Pedir que o médico indique um nutricionista profissional especializado em dieta para pacientes renais.
  • Solicitar ao nutricionista que ajude a planejar refeições com a quantidade correta de calorias,  para consumir a quantidade adequada de cada nutriente na dieta.
  • O paciente deve perguntar ao médico e ao nutricionista quais nutrientes ele precisa limitar na dieta.
  • O paciente deve pedir sugestões sobre o uso de ervas aromáticas e especiarias no lugar do sal de cozinha para dar sabor aos alimentos. O paciente deve solicitar ao nutricionista uma relação das ervas aromáticas e especiarias que combinam com os diversos tipos de alimentos.
  • Deve-se utilizar apenas os suplementos, medicamentos, vitaminas e minerais recomendados pelo médico.
  • Os rótulos das embalagens de alimentos fornecem apenas informações sobre alguns nutrientes da dieta. O paciente deve ler os rótulos e solicitar mais informações ao nutricionista. E comprar alimentos com baixo teor de sódio.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.