Milho, um alimento funcional

milhoSabia que….. O nome tem origem indígena e significa “sustento da vida”, o que por si só revela tratar-se de um produto rico.

Existem cinco classes de milho: o milho processado, milho duro, milho para farinha, para pipocas e milho doce. E que é utilizado em mais de 600 produtos alimentares.

Tipos e milho

O  seu nome cientifico é Zea mays, e é dos cereais em grão mais populares no mundo. Existem cinco classes principais no milho: milho para processamento, milho duro, para pipocas, milho para farinha e milho doce. O primeiro tipo é o mais cultivado em todo mundo. o milho doce é aquele que provem da “espiga de milho” comum que comemos atualmente.

Estudos arqueológicos indicam que o milho era cultivado na América central pelo menos há 5600 anos e espalhou-se pelo resto do mundo depois da chegada dos espanhóis no final do século XV principio do século XVI. Actualmente existem 600 produtos alimentares e não alimentares feitos a partir do milho.

A planta de milho é também há muito usada para fins medicinais nas culturas nativo-americanas. Sendo considerado um legume quando fresco e como cereal, quando seus grãos são secos. Na cozinha, graças a essa versatilidade transforma-se em inúmeras receitas, quer doces ou salgadas.

Porque deve comer milho

É uma boa fonte de proteína, uma porção (1 chávena) fornece 5gr de proteína, que é cerca de 10 % da dose recomendada. A proteína obtida a partir do milho contém todos os aminoácidos essenciais, mas devido a quantidade da lisina ser pequena não é considerada uma  proteína completa. No entanto pode-se colmatar a falta de lisina associando este legume a outros alimentos como feijão, ovos, aves e carne magra.

É uma boa fonte de fibra, vitamina B1, folato, vitamina C e ácido patogénico. O milho contém fitoquímicos, como betacriptoxantina, sapominas, alcalóides, sitosterol, stigmasterol, ácido málico, ácido palmítico, ácido tartáreo, ácido oxálico e ácido maizénico. Cujas propriedades são benéficas para a saúde do caraça e no combate ao cancro.

A importância do folato

o nosso organismo depende de flato para metabolizar ADN e proteína. Esta vitamina B é especialmente importante para as mulheres que querem ou estejam grávidas, porque previne defeitos de nascença que ocorrem nas primeiras semanas após a concepção.

Ela também ajuda a reduzir a homocisteína, indicador de inflamação atribuído á doença cardíaca. E é ainda vital para outros processos metabólicos, tais como da produção de neurotransmissores. Com alta concentração de tiamina, uma das vitaminas B, o milho é essencial para a produção de energia e fundamental para a função cognitiva. Está classificado como gerador de força para o neurotransmissor essencial para a memória. Outro componente, o ácido pantotênico, é o que ajuda o cérebro ativar a calma, e a eliminar o stress.

Na prevenção do cancro

Benéfico na prevenção de alguns tipos de  cancro, tais como do pulmão e do cólon. No caso do cancro do pulmão deve-se a este ser rico em betacriptoxantina, um carotenóide vermelho alaranjado que pode baixar significativamente o seu risco de desenvolvimento. Estudos científicos tem mostrado que no caso de fumadores que  tiveram uma ingestão de  alimentos mais ricos em criptoxantina revelaram uma descida de 31% no risco quando comparados com aqueles que não comeram esses alimentos.

Por ser rico em compostos fenólicos que podem ajudar a prevenir o cancro do cólon e outros do aparelho digestivo. O milho também é rico em amido resistente que pode ajudar a promover butirato, um ácido gordo de cadeia curta existente no cólon que pode ser benéfico em combate a sete tipo de cancro.

Outros benefícios

O amido de milho, um composto existente neste legume, relevou melhorar o metabolismo de glicose em mulheres com peso normal ou excesso de peso.

O seu elevado teor em fibra assegura que desempenha um papel importante na prevenção de doenças digestivas tais como prisão de ventre e hemorroidas, bem como no combate ao cancro do cólon-retal.

Entretanto, o milho só pode fornecer estes nutrientes quando é cultivado de forma orgânica, e depois de retirado do pé, guardado sob a sombra. Caso contrário, seus nutrientes ficam comprometidos. Se for cozinhá-lo, não acrescente sal durante o cozimento, mas somente depois que retirar da panela. O mesmo vale para quando for assá-lo.

O milho, mesmo quando submetido a procedimentos industriais, mantém a casca que é uma excelente aliada na excreção das toxinas ingeridas durante as refeições. O milho não contém glúten, o que aumenta a gama de consumidores que estavam restringidos ao consumo de trigo, aveia e cevada, por exemplo.

Por todos estes benefícios o milho é sem duvida um superalimento.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.