Alimentação e anemia

Qual a conduta nutricional?

A anemia não é uma doença, é um sinal de doença. Se uma pessoa é diagnosticada com anemia, o próximo passo é investigar a causa, pois com certeza há alguma doença por trás causando a queda no número glóbulos vermelhos no sangue. E por vezes não basta o médico prescrever ferro e ficar tudo resolvido.

Segundo o estudo Empire, feito pelo Anemia Working Group Portugal (AWGP), realizado em 2015, estimou que um em cada três portugueses tenham deficiência de ferro, quando a falta desta substância é causa de 50% dos casos de anemia.

Com uma prevalência tão grande em Portugal, qual é a conduta nutricional para os casos de anemia?

anemia

Definição de anemia

A anemia de uma condição na qual há uma deficiência no tamanho ou numero de glóbulos vermelhos (também chamados de hemácias ou eritrócitos) ou da quantidade de hemoglobina que eles contêm e que limita a troca de oxigénio e dióxido de carbono entre o sangue e as células teciduais.

De acordo com os critérios da Organização Mundial de Saúde, anemia é definida como uma concentração de Hb (hemoglobina) no sangue de <130 g/L (<13g/dL)

Tipos de anemia

As anemias podem ser classificadas de acordo com as características morfológicas em anemias macrocíticas, normocíticas ou microcíticas. Estas, as anemias microcíticas são as que tornam as hemácias menores do que o usual, já no caso das normocíticas, não há alteração tamanho. As anemias macrocíticas, por sua vez, são aquelas em que as hemácias ficam maiores do que de costume.

Anemias macrocíticas:

Uma forma de anemia caracterizada por hemácias maiores do que as normais e aumento do volume corpuscular médio e aumento da hemoglobina corpuscular média.

Megalobástica

É um tipo de anemia caracterizado pelo tamanho anormal dos glóbulos vermelhos e diminuição dos glóbulos brancos e plaquetas, provocado pela baixa ingestão de vitamina B12, mais comum em vegetarianos. Além dos sintomas clássicos, pode surgir dor na barriga, queda de cabelo, cansaço e feridas na boca, por exemplo.

Perniciosa

Este é um tipo de anemia megaloblástica que acontece quando a pessoa ingere vitamina B12, mas o corpo não consegue absorvê-la, podendo resultar em graves danos neurológicos, se não houver o tratamento adequado.

Anemia de Fanconi

É outro tipo de anemia genética caracterizado pelo tamanho anormal dos glóbulos vermelhos e diminuição dos glóbulos brancos e plaquetas, provocado pela deficiência de vitamina B12. Os sintomas incluem dor na barriga, queda de cabelo, cansaço e feridas na boca, por exemplo.

Anemias normocíticas:

Anemia normocítica pode ser causada por perda de sangue aguda, doença crónica ou falha em produzir quantidade suficiente de células vermelhas.

Problemas renais crónicos ou do fígado podem causar anemia normocítica. No caso de problema renal isso deve-se à diminuição da produção do hormona eritropoietina. E certas deficiências hormonais, como deficiência de testosterona, também podem causar anemia normocítica. 

Aplástica

Anemia normocítica acompanhada por uma deficiência de todos os elementos formados no sangue, pode ser causada por exposição a substancias químicas tóxicas, radiação ionizante ou medicações.

É uma doença auto-imune onde a medula óssea diminui a produção de células sanguíneas, causando sintomas como manchas roxas na pele, hematomas frequentes e sangramentos que demoram muito para parar.

Falciforme

Doença hereditária (passa dos pais para os filhos) caracterizada pela alteração dos glóbulos vermelhos do sangue, tornando-os parecidos com uma foice, daí o nome falciforme. Essas células têm sua membrana alterada e rompem se com maior facilidade, causando anemia. Mais comum em indivíduos da raça negra e tem como sintomas a icterícia, inchaço nas mãos e nos pés e dor em todo o corpo.

Hemolítica

Anemia causada pela curta sobrevivência das hemácias maduras. Ou seja,o organismo não possui glóbulos vermelhos em quantidade suficiente. Ocorre quando a medula óssea não é capaz de repor os glóbulos vermelhos que estão sendo destruídos.

Este tipo de anemia produz anticorpos que destroem as células sanguíneas. Mais comum em mulheres do que em homens e gera sintomas como palidez, tontura, marcas roxas na pele, pele e olhos secos e outros.

Anemias microcíticas:

Caracterizada por eritrócitos menores que o normal e menos hemoglobina circulante; característica de deficiência de ferro e talassemia.

Ferropriva

É um dos tipos mais comuns de anemia, que é causado pela baixo consumo de alimentos com ferro, como carne vermelha, ovo ou espinafre. No entanto, este tipo de anemia também pode surgir após uma hemorragia ou menstruação severa, devido à perda de ferro pelo sangue.

Sideroblástica

Anemia microcítica, hipocrômica caracterizada  por desarranjo na via final da síntese de heme que leva à formação de hemácias imaturas que contem ferro; responsava a doses farmacológicas de vitamina B6.

Anemia sideroblástica é causada pela produção anormal de células vermelhas sanguíneas como parte da Síndrome Mielodisplásica, a qual pode se desenvolver em tumores malignos hematológicos (especialmente leucemia mielóide aguda).

Talassemia

A talassemia é uma desordem do sangue hereditária que causa anemia leve ou severa. A anemia é decorrente da hemoblobina reduzida e menos células vermellhas sanguíneas que o normal.

Em pessoas com talassemia, os genes que codificam para a hemoblobina não existem ou  são diferentes. Formas severas de talassemia são geralmente diagnosticadas na infância e é uma condição para toda a vida.

Principais sintomas

Mais frequente destes sintomas é uma sensação generalizada de fadiga. No entanto, a anemia pode manifestar-se de diversas outras formas:

  • Falta de força;
  • Tonturas;
  • Dores de cabeça;
  • Palidez;
  • Distúrbios de sono;
  • Distúrbios de apetite;
  • Perturbações na concentração;
  • Baixa tensão arterial;
  • Ritmo cardíaco acelerado;
  • Unhas quebradiças.

Causas de anemia

A anemia tem três causas básicas:

– Pouca produção de hemácias pela medula óssea.
– Elevada destruição de hemácias pelo corpo.
– Perda de hemácias e ferro através de sangramentos.

ferro_anemia

Exemplos de causas de anemia que não se resolvem apenas com reposição de ferro:

1- O cancro do intestino pode causar sangramentos e perda de sangue, levando à anemia. Esta anemia é causada pela perda de sangue e, apesar do paciente realmente ter carência de ferro, uma simples reposição não irá estancar o sangramento, nem tratar o tumor. Na verdade, repor ferro sem investigar a causa da anemia pode melhorar os valores do hematócrito (exame de sangue que serve para avaliar a percentagem das células vermelhas do sangue) temporariamente, levando à falsa impressão de resolução do problema, o que só irá atrasar o diagnóstico final.

2- Uma infecção que atinge a medula óssea impede a produção de hemácias, levando à anemia. Neste caso, a queda do hematócrito ocorre por falta de produção de hemácias na medula. Do mesmo modo, repor ferro não irá tratar a causa.

3- Um medicamento que seja tóxico para as hemácias e cause sua destruição antes de 120 dias, também leva à anemia. Anemia por rápida destruição das hemácias também não vai ser tratada com ferro.

alimentos-para-anemia

Conduta nutricional

O tratamento da anemia depende largamente da sua causa, mas passa sempre pela normalização dos elementos em falta no organismo (nomeadamente através da reposição de ferro ou vitaminas), de forma a permitir que este recupere os níveis normais de glóbulos vermelhos e hemoglobina no sangue.

1. Adote uma dieta rica em ferro

Estima-se que 90% de todos os casos de anemia resultem da falta de ferro. O ferro é um dos principais constituintes da hemoglobina e, sem este, o organismo é incapaz de a produzir nas quantidades necessárias. Para prevenir esta insuficiência, assegure-se que a sua dieta inclui alimentos como: 

  • Carnes em geral, mas especialmente as vermelhas
  • Rins, fígado, coração de galinha
  • Ovos
  • Peixe ou marisco, como sardinha, cavala, amêijoas, mexilhão, camarões e ostras
  • Cereais, massas integrais, quinua, aveia, cevada
  • Feijão
  • Beterraba crua
  • Vegetais escuros como salsa, espinafre e rúcula, agrião, couve e brócolos
  • Sementes de abóbora e abóbora
  • Frutos secos, avelã, amêndoas, pistache, castanha do pará

2. Corrija as insuficiências vitamínicas

Nem só da falta de ferro se faz a anemia. A produção constante de glóbulos vermelhos também depende de nutrientes como vitamina B12 ou ácido fólico. Se tiver anemia por carência de uma destas vitaminas, é importante que as incorpore na sua alimentação diária.

A vitamina B12 pode ser encontrada em alimentos como fígado, ostras, marisco ou ovos.
Pelo facto de este nutriente se encontrar principalmente neste tipo de alimentos, a anemia megaloblástica é mais comum em veganos e vegetarianos. Nesses casos, a suplementação é necessária.

O ácido fólico, por sua vez, existe em níveis elevados em brócolos, espargos, couve-de-bruxelas e outros vegetais, fígado, ovos e gérmen de trigo.

Vitamina A, a deficiência dessa vitamina dificulta o transporte do ferro armazenado no fígado para o sangue, causando danos na formação dos glóbulos vermelho. Esta vitamina existe principalmente nos alimentos alaranjados como, cenoura, abóbora, manga, mamão, tomate, damascos. Mas também em, vísceras e vegetais verdes escuros.

Minerais, cobre e zinco

A deficiência de cobre em nosso organismo vai interferir na formação da hemoglobina, o que pode levar a uma anemia.

Os alimentos principalmente ricos em zinco são, ostras, amendoim, grão-de-bico, castanhas, espinafres, cogumelos, sementes de abóbora, carne vermelha (mas, quando ingerida em excesso vai impedir a absorção do cobre, causando os mesmos efeitos da deficiência).

Alimentos ricos em cobre, cacau em pó, ostras, lentilha, amendoim, avelas, amêndoas, castanhas-do-pará, aveia, brócolos, sementes de girassol, feijão.

3. Aumente o consumo de vitamina C

Embora não contribua de forma direta para a produção de hemoglobinas, a vitamina C ajuda na absorção do ferro, tornando-o mais disponível sempre que se liga a este. Para evitar a anemia por carência de ferro, assegure-se que consome (também) alimentos ricos em vitamina C, como:

  • Frutas como laranjas, uvas, morangos, kiwis, goiabas, papaias, abacaxis, melão e mangas
  • Brócolos
  • Pimentões vermelhos e verdes
  • Couves de Bruxelas
  • Couve-flor
  • Tomates
  • Vegetais de folhas verdes, espinafre, couve, acelgas

Dicas

Alguns sumos ricos em ferro e vitamina C que podem ajudar,

sumos

  1. Sumo de laranja com couve
  2. Abacaxi com couve
  3. Melancia com beterraba + couve + limão
  4. Espinafre com cenoura + laranja
  5. Sumo de laranja + agrião + salsa + cenoura

Evitar o consumo de alimentos que prejudicam a absorção do ferro

As bebidas alcoólicas, o café, o chocolate e a cerveja devem ser evitados, pois prejudicam a absorção de ferro pelo organismo. Além disso, os alimentos ricos em cálcio como leite e derivados também diminuem a absorção do ferro e devem ser evitados.

Estes cuidados devem ser seguidos durante todo o tratamento para anemia e não exclui a necessidade da ingestão dos medicamentos receitados pelo médico, mas é uma forma natural de completar e enriquecer a alimentação.

Conclusão

Como se pôde notar, a anemia é uma situação complexa que pode indicar dezenas de doenças diferentes. O importante é procurar ajuda médica sempre que houver suspeita de anemia.

 Faça um hemograma

O diagnóstico é, na maior parte dos casos, alcançado através de uma simples análise ao sangue (hemograma), isto embora possam depois ser necessários exames adicionais para identificar a causa da anemia. É fundamental que se conheça a causa de modo a tratar a anemia da forma mais adequada.

Caso necessário consulte um nutricionista para ajudar a melhorar o seu plano alimentar e conseguir, de forma adequada recuperar ou melhorar o seu estado de saúde e qualidade de vida.

Deixar uma resposta