Alimentação e ácido úrico alto

acido uricohiperuricemia é um transtorno metabólico caracterizado pelo excesso de ácido úrico no sangue, causada pela alteração no metabolismo das purinas. As purinas são bases nitrogenadas, formadas pela degradação de proteínas, especialmente as de origem animal.

As estratégias nutricionais para a redução dos níveis de ácido úrico baseiam-se na perda de peso (caso o indivíduo se encontre em excesso de peso/obesidade), redução do consumo de alimentos ricos em purinas, aumento da ingestão hídrica e aumento da ingestão de alguns alimentos que estão associados com a redução dos níveis de ácido úrico.  Venha conhecer quais são!…

 O que deve ou não comer

Alimentos não recomendados na dieta para ácido úrico

Os alimentos ricos em purinas, que devem ser evitados:

Estes são, carne vermelha, vísceras (fígado, coração, língua e rins), alguns peixes, e moluscos (1). Estes são os alimentos mais ricos em proteína que contêm purinas, substância responsável por aumentar os níveis de ácido úrico no sangue, e que se acumulam nas articulações e nos tecidos provocando dor.

Assim os alimentos que devem ser evitados na dieta para ácido úrico são;

  • Carne, vísceras, frango e outras carnes de animais jovens (cabrito, leitão, vitela),
  • Molhos, caldos de carne, extracto de carne,
  • Mariscos, anchovas, sardinhas e outros peixes gordos,
  • Bebidas alcoólicas, especialmente cerveja e vinho (2,3),
  • Mariscos como lagosta, camarão, sardinhas, anchovas, atum, truta, cavala (4),

Também devem ser evitados alimentos com muita gordura, como os fritos e aqueles que tenham também muito açúcar pois o excesso de gordura e açúcar contribui para a acidificam o organismo.

E algumas fontes dietéticas de purinas, tais como, feijão, ervilhas, lentilhas, farinha de aveia, espinafre, espargos, cogumelos, levedura (5). No entanto estas apesar de serem fontes de purinas, são mesmo prejudiciais do que a sua maior fonte, a carne.

Alimentos permitidos na dieta para ácido úrico

Há até, alguns estudos científicos que tem demonstrado que a ingestão de vegetais ricos em purinas (ervilhas, feijões, lentilhas, espinafre e couve-flor) não está associada com a hiperuricemia (ácido rico elevado) ou seja, não aumentam a possibilidade de desenvolver gota.

Quando consumidos com moderação não causam risco. São sim as fontes animais de purinas que carregam um risco significativamente mais alto do que as fontes de plantas de desencadear um ataque (5).

O facto de as fontes vegetais de purinas terem um impacto significativamente menor do que as fontes animais pode ser explicado por haver um menor teor de purina nesses alimentos, dizem os autores, e de estas fontes vegetais conterem ainda outros nutrientes importantes e contribuem para diminuir a resistência à insulina (6) – há muito defendida como uma medida para controlar a gota.

Além disso, outros pesquisadores sugerem ainda que a ingestão de produtos lácteos com baixo teor de gordura (7), grãos integrais, nozes, legumes, frutas, cogumelos, café e suplementos de vitamina C contribuem para a redução dos níveis de ácido úrico.

O que deve comer

Desta forma, os alimentos permitidos na dieta para ácido úrico são aqueles que vão ajudar a reduzir o ácido úrico no sangue como por exemplo alimentos com efeito alcalificante como:

  • Sementes de abóbora;
  • Salsa, coentros, alho;
  • Cebola, cenoura, alface, pepino, nabo, couve, beterraba, tomate;
  • Abacate, laranja, lima e limão;
  • Frutas que são baixas em frutose, – morangos e cerejas, por exemplo
  • Peixes magros, em que a gordura está praticamente confinada ao fígado: Bacalhau, Badejo, Carapau, Carpa, Corvina, Dourada, Garoupa, Linguado, Peixe-espada, Pescada, Pregado, Robalo, Salmonete, Enguia, Tamboril. Estes peixes têm uma constituição é menor em gordura e maior em água. Geralmente, menos gordura do que a carne, mas o valor nutritivo das suas proteínas é idêntico;
  • Consumir alimentos de origem vegetal que alcalinizam a urina e estimulam a diurese, como a melancia, o melão, o morango, a abóbora, a pimpinela, o alho francês, o aipo, entre outros.

Para além dos alimentos permitidos que não aumentam a acidez do sangue, como cereais integrais, frutas e verduras em geral, devem ainda ingerir cerca de 2 a 3 litros de líquidos por dia, sob a forma de água, infusões de ervas, chás ou outras bebidas alcalinizantes (sumos naturais de fruta e/ou legumes).

Principalmente os doentes com gota e história de urolitíase (cálculos renais / pedra nos rins) devem ser encorajados a beber mais de 2 litros de água por dia e evitar a desidratação. A alcalinização da urina com citrato de potássio (60 mEq / dia) deve ser considerada para os que são formadores recorrentes de cálculos renais (7).

Tomar diariamente o pequeno-almoço e comer a intervalos não superiores a 3,5 horas.

Uma vez que as purinas são solúveis em água, a técnica culinária mais recomendada para carnes e peixe é o cozido, tendo o cuidado de rejeitar o seu líquido (por exemplo, não consumir a água da canja e caldos).

Consequências do ácido úrico alto

Hiperuricemia é geralmente definida como um nível de ácido úrico no sangue superior a 7,0 mg/dL para homens e superior a 6,0 mg/dL em mulheres. Com o aumento da concentração de ácido úrico no sangue, ocorre a deposição de cristais de ácido úrico nos tecidos, principalmente nas articulações. Esses cristais causam inchaço e inflamação, produzindo o quadro de Gota.

A nível patológico, a Gota é um tipo de artrite que ocorre quando quando essa substância se acumula no líquido ao redor das articulações (líquido sinovial), por formação de cristais de ácido úrico. Os cristais acumulam se e causam inflamação nas articulações, dor e dificuldade de mobilidade(8).

Tipos de Gota

Há dois tipos diferentes de Gota

  • Gota aguda: é uma doença dolorosa que normalmente afeta uma articulação
  • Gota crónica: consiste em episódios repetidos de dor e inflamação que podem envolver mais de uma articulação.
ácido-úrico-nas -mãos
Gota em fase crónica
ácido úrico e gota
Acumulação de ácido úrico – Formação de Gota

Sintomas de Gota 

Os sinais de gota são quase sempre agudos, podendo ocorrer de repente, principalmente à noite, e sem nenhum aviso. Entre eles estão:

  • Dor intensa nas articulações dos pés, tornozelos, joelhos, mãos e pulsos. Essa dor é geralmente mais forte nas primeiras 12 a 24 horas
  • Após o pico de dor, mantém-se um certo desconforto nas articulações, que pode durar alguns dias e, em alguns casos, até mesmo algumas semanas
  • Inflamações e vermelhidão na região das articulações afectadas, com presença de suor.

Depois do primeiro ataque de gota, as pessoas não apresentam sintomas e só metade dos pacientes sofre outro ataque.

Algumas pessoas podem desenvolver gota crónica. Aqueles que sofrem de artrite crónica desenvolvem lesões e perda de movimento das articulações. Nesses casos, o paciente apresenta dor nas articulações e outros sintomas a maior parte do tempo.

Outro sintoma de gota são os tufos, caroços sob a pele ao redor das articulações ou em outros lugares. Eles podem drenar material calcário. Geralmente, os tufos desenvolvem se em pacientes que convivem por muitos anos com a doença.

Dicas caseiras

Remédio caseiro para ácido úrico com beterraba

Um excelente remédio caseiro para o ácido úrico é o sumo combinado de beterraba, cenoura, pepino e agrião. Os ingredientes destes sumo possuem propriedades que ajudam a eliminar o excesso de ácido úrico do organismo, podendo ser um óptimo complemento terapêutico para a gota.

Ingredientes

  • 80 g de beterraba
  • 80 g de cenoura
  • 80 g de pepino
  • 20 g de agrião

Modo de preparação

Junte todos os ingredientes na liquidificadora, e beba de seguida para que não perca suas propriedades nutricionais. Para verificar o seu efeito terapêutico, tome diariamente pela manhã, em jejum, um copo da mistura e após 3 semanas repita as análises ao sangue para verificar o efeito sobre a redução do ácido úrico.

No entanto, qualquer dieta específica para reduzir o ácido úrico deve ser estipulada e acompanhada por um profissional qualificado, como o nutricionista.

Viva com mais saúde !!!

4 COMENTÁRIOS

  1. Meu pai é diabético e não poderá comer a beterraba. Fazendo só com os outros ingredientes, terei o mesmo resultado? Ou posso substituir a beterrada pelo quê?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.